domingo, 30 de agosto de 2020

PÁTINA NA CERÂMICA

 

EFEITO DE PÁTINA SOBRE ENGOBES DE SAIS

Este é o primeiro artigo de outros que virão sobre Pátinas na cerâmica.

Começo com os efeitos do Bórax e do Carbonato de Sódio sobre engobes de sais.

Lembrando que uma característica dos engobes é a cor opaca uniforme, e com algumas variações por conta dos sais com que são elaborados, de modo que é necessário a sobreposição de esmaltes transparentes com fórmulas químicas distintas ou outros fluxos, para obter reações diversas de textura, cores, marcas sutis de manchas e intensidade de brilho.

Vamos lá...

Hoje, os fluxos utilizados são de Bórax e de Carbonato de Sódio.

Diluir 1:3, uma parte do fluxo com três partes de água fervente.

As peças aqui apresentadas são de argila creme e terracota, que dão mais contrastes. Os engobes e os fluxos foram aplicados nas peças em ponto de osso. Foi realizada queima única a 1000°C, durante 9 horas, em forno à gás.


Santinha de argila creme em ponto de osso.

Aplicado com pincel duas demãos de engobe branco EN20.

Na sequência foi aplicado com pincel o bórax 1:3 e salpicado bórax granulado.

Com um plástico fino para proteger os dedos esfregue suavemente os grânulos para arranhar a superfície da peça, para obter o efeito pátina.



Neste medalhão foi aplicado o engobe EN20, em seguida por cima foi pincelado o bórax 1:3 e salpicado bórax granulado.

As pombas em relevo e a área externa do medalhão receberam movimentos suaves. Foi mais removido do que esfregado, os grânulos de bórax.

As manchas na coloração âmbar e ferrugem são efeitos do bórax granulado mais concentrado na área de baixo relevo.

O bórax afasta o engobe e se vitrifica na argila creme.

O engobe retraído se acumula ao redor e com menos bórax por cima, ao derreter, produz uma coloração azulada, efeito obtido por conta do óxido de estanho que tem na fórmula do engobe branco EN20.



Medalhão de argila terracota em ponto de osso recebeu no centro engobe azul lavanda EN18 e nas laterais o engobe azul acinzentado EN10.

Por cima aplicado Bórax 1:3. Não foi salpicado bórax granulado.

Os efeitos são mais suaves e algumas manchas ferrugem aparecem no engobe lavanda EN18.



Esta peça é de argila marfim em ponto de osso.

No sentido vertical, a metade da peça recebeu duas demãos de engobe azul acinzentado EN10 e a outra metade de engobe lavanda EN18.

Delimitando as cores dos engobes azuis, foi aplicada uma linha de engobe vermelho cereja EN7.

No sentido horizontal, a metade da parte de cima da peça recebeu o carbonato de sódio 1:3 e a outra metade o bórax 1:3.

O efeito do bórax ficou muito bonito, a quantidade de carbonato de sódio poderia ter sido maior para obter mais reações.



Peça de argila creme em ponto de osso.

Pincelada duas demãos do engobe bege escuro EN17 em toda a peça.

Pincelado carbonato de sódio 1:3 sobre o engobe.

A parte côncava recebeu após o carbonato de sódio 1:3, o bórax 1:3 e foi suavemente esfregado.

Este engobe contém óxido de cobre e o efeito pátina ficou bonito onde foi aplicado o carbonato de sódio.


quarta-feira, 17 de julho de 2019

"RECALL" DOS ENGOBES!! Gente!! Sem direito a devolução de DVD e Apostila!

OS ENGOBES DE SAIS COM SOBREPOSIÇÃO DE ESMALTES CONTINUAM OS MESMOS, MAS SUA PREPARAÇÃO QUANTA DIFERENÇA!
MAIS PRÁTICO E MAIS ECONÔMICO!

UMA DICA LEGAL É O EFEITO QUE SE OBTÉM QUANTO A QUANTIDADE DE ÁGUA

A quantidade de água define o processo decorativo para finalizar a peça.




As peças receberam engobe vermelho, branco e verde com a consistência igual ao demonstrado no DVD + apostila que disponho para venda.

Com consistência bem pastosa foram feitos grafismos em alto relevo com um pincel de cerdas curtas.

Na primeira peça foi aplicado o engobe avermelhado e por cima o engobe branco.
Como não recebeu nenhum esmaltes transparentes por cima o tom é pastel.

Nas outras peças foi feito grafismo com engobe preto e para intensificar o tom da cor receberam esmalte transparente.


EFEITO AQUARELA






Um pouco mais de água na quantidade do engobe escolhido.
Pincelar toda a peça e remover na sequencia o engobe das partes onde queira que prevaleça a cor da argila. Faça este processo com uma esponja áspera e seca.

Desenhos de baixo relevo dão bons resultados.

As duas peças acima são de argila branca. Uma tem engobe azul e a outra engobe avermelhado.

As duas abaixo são de argila preta. Uma tem engobe branco e a outra engobe verde de cobre.

Receberam por cima uma pincelada bem aguada de esmalte transparente.


EFEITO TRADICIONAL



As peças acima receberam o engobe no método tradicional.

Duas demãos pinceladas são suficientes.

O esmalte transparente pincelado por cima tem uma formulação bem diferente, o que faz uma reação química junto com o engobe dando efeitos muito apreciados.  



A explanação que faço a seguir diz um pouco sobre a forma que conduzo o meu trabalho e este especificamente. 

"Ao longo da vida trilhamos muitos caminhos, e aquilo que desperta curiosidade e emoção na aprendizagem o cérebro jamais esquece!"

Conto nesse pequeno espaço essa trajetória para que os praticantes da cerâmica entendam a minha necessidade de aprimorar a pesquisa nessa área.

Nos 10 anos de trabalho administrativo na empresa Metal Leve, vivenciei um ambiente bastante arrojado e inovador na época. Ali tive a chance de acompanhar os experimentos dos pesquisadores, no fabuloso mundo da química do Núcleo de Pesquisa da empresa.

Circulava diariamente entre a abundância de um laboratório de experimentos e em companhia do meu adorável chefe, engenheiro Eduardo B. Bona (falecido), professor conceituado, pesquisador respeitado por órgãos como o Instituto de Pesquisa e Tecnologia - IPT/USP, com quem pude aprender muito sobre os vários experimentos.

Esse ambiente acolhedor além de guia me deu referência e energia para extrair do trabalho solitário no meu ateliê, os processos para que eu exerça a pesquisa sem amarras e buscando soluções práticas.



Atualização no preparo dos engobes de sais que produz uma variedade de efeitos tanto na cor como na textura de acordo com a fórmula química dos esmaltes transparentes sobrepostos.

A divulgação deste artigo se faz necessária por várias razões. A principal é informar ao público ceramista que fizeram o curso de engobes de sais reativos no meu ateliê, e aos que adquiriram o DVD acompanhado da Apostila.

Esta postura me deixa confortável em relação aos que dão credibilidade ao meu trabalho e me permite que eu siga aperfeiçoando o tema, através da prática e observação.

Os engobes preparados com o tempo ficavam aguados, perdendo um pouco das suas características propostas. A quantidade preparada tinha que ser quase de uso imediato. E isso eu sabia que era por conta dos sais fundentes como o Bórax, Ácido Bórico e Carbonato de Sódio, presentes em quase todas as alquimias que desenvolvo nas minhas pesquisas.

Resolver essa questão tornou-se um desafio.

Parti da seguinte indagação de pesquisadora: Por que colocava o CMC? E a explicação é que o CMC é uma cola orgânica, utilizada dentro dos esmaltes, para que a cada camada pincelada não arraste a anterior, e ao finalizar mantenha o esmalte colado na peça sem que este saia na mão da pessoa ao ser transportado da mesa para a prateleira e depois para o forno. O único senão para o CMC é que com o passar do tempo ele perde sua função adesiva e se torna uma água. Água!!

Todo sal misturado água fica melado e grudento. Mesma função do CMC. Água!!

Silicato de Sódio que é um vidro líquido e viscoso, conhecido também como água mágica. Água!!

Eureka! Eureka!!!! Aí estava a solução do problema!!

Na situação dos engobes de sais é totalmente desnecessário o CMC e o Silicato de Sódio.

Assim estes dois componentes sumiram das minhas receitas de engobe. Basta de tanta água!

Ah! Só um pouco de água! O suficiente para fazer uma massa consistente como mostro a seguir. Com o tempo a água que o sal vai produzir é pouca e desta forma não desanda o engobe, o qual pode ser guardado por um longo período.



PASSO A PASSO NO PREPARO DOS ENGOBES COM SAIS FUNDENTES




Pesar as matérias primas da composição do engobe de sais reativos com sobreposição de esmaltes transparentes.

Quando a balança não pesa pequenas quantidades de óxidos corantes, utilize este método antigo e comum.

No caso desta balança que pesa a partir de 2 gramas e é necessário somente 0,5 grama na receita, pese 2 gramas do óxido, coloque sobre um papel sulfite, arrume de forma linear com altura por igual e faça duas porções. Pegue uma porção e divida novamente em duas porções. Este processo permite conseguir as 0,5 gramas do óxido necessário.

A precisão não é absoluta, porém conseguimos o que é preciso para colorir a fórmula do engobe.





O Carbonato de Sódio deve ser peneirado separadamente antes de pesar, ele contém partículas que não se dissolvem. Jogue fora o que não passar pela peneira.

Junte todos as matérias primas e passe na peneira utilizando uma colher de plástico ou madeira. 



Coloque os produtos em  um recipiente, pode ser de plástico ou louça. Mexa com uma colher de plástico ou madeira e depois macere com um pilão. Esta operação não precisa ser longa, uma vez que queremos efeitos de cor e textura.

Os recipientes de plástico, vendidos para amassar alho ou limão, são excelentes, anatômicos, uma vez que a nossa mão consegue abraçar, mantendo o mesmo firme para mexer e macerar os produtos sem que salte para fora.

Uma receita de 100 gramas é fácil de manipular. O recipiente é bem barato e não quebra!




Coloque água aos poucos com um dosador e mexa LENTAMENTE e apenas no mesmo sentido (horário ou anti-horário) com uma colher de plástico ou madeira, até obter uma massa homogenia e consistente, ou seja, densa.

"Este procedimento deve ser rigorosamente respeitado, por conta que o Carbonato de Sódio é um sal fundente que ao receber água libera calor (Reação Exotérmica). Ao dar velocidade no mexer ele transforma a composição como se fosse uma borracha, tornando-se impossível de corrigir".



Coloque num potinho plástico e cilíndrico, que tenha a boca do mesmo diâmetro do corpo do pote, hermeticamente fechado.

Este procedimento é necessário para que toda vez que for usar, seja fácil de mexer o engobe e retirar a quantidade a ser utilizada com uma colher.

Deixe descansar por um dia no mínimo para que os produtos se integrem. Afinal trata-se de um engobe com propriedades diferentes devido ao fundente ser um sal.



Quando for aplicar o engobe ponha a quantidade necessária em um pequeno recipiente que tenha o fundo arredondado para que possa mexer e acrescentar gotas de água aos poucos até ficar na textura desejada para a finalidade a que se destina.

A foto nº 12 mostra a consistência adequada para uso no método tradicional. Consistência igual a que está demonstrada no DVD.

O engobe pode ser aplicado na peça cerâmica em qualquer etapa. Ponto de couro, ponto de osso ou sobre a peça já biscoitada.

Espero que este artigo alcance o objetivo proposto. Boa sorte e muita produtividade a todos que sempre confiaram no meu trabalho.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

TÉCNICAS DE DECORAÇÃO COM ENGOBES DE SAIS REATIVOS COM SOBREPOSIÇÃO DE ESMALTES

 ALTO RELEVO: A PEÇA RECEBEU DUAS DEMÃOS DO ENGOBE BRANCO, DESENHO COM PINCEL DO ENGOBE PRETO E POR ÚLTIMO UMA ÚNICA PINCELADA BEM FINA DE ESMALTE TRANSPARENTE.



















quarta-feira, 22 de maio de 2019

MOLDE DE GESSO

COMO FAZER MOLDE DE GESSO PARA PEQUENAS PLACAS.


Utilizei as PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais), que são excelentes para esse trabalho por algumas espécies serem pequenas, maleáveis e belas.

Não é preciso explicar, uma vez que o passo a passo deixa claro o processo.


Foi aplicado na finalização das peças "Engobes de Sais" e queimadas em forno a gás, a temperatura de 930°C







































As peças abaixa foram desenvolvidas através de outra técnica.